Relações de namoro do ensino médio

Dae, tais sem nada pra fazer, né? Sabia! Então... fiz esse continho aqui pra você ler e não morrer de tédio. Não precisa agradecer. Fiz sobre o "tópico da semana" do sub r/escrita. É sobre ficção científica, porém tentei não me limitar muito ao tema e explorar mais um realismo fantástico.

2020.05.22 18:26 jaoherico Dae, tais sem nada pra fazer, né? Sabia! Então... fiz esse continho aqui pra você ler e não morrer de tédio. Não precisa agradecer. Fiz sobre o "tópico da semana" do sub r/escrita. É sobre ficção científica, porém tentei não me limitar muito ao tema e explorar mais um realismo fantástico.

A NOVA COLÔNIA, parte I
Conto por João Antonov
Em 22 de abril de 2015 eles chegaram. Clara se lembrava bem do dia. Ainda estava no primeiro semestre da faculdade de medicina. A notícia virou o mundo de cabeça para baixo. E quando os aliens começavam a se espalhar e a se instalar em diversas partes do globo, a realidade era tão fantasiosa e impalpável que Clara sentia que, a qualquer momento, acordaria daquele sonho estranho. Só quando eles chegaram em Manaus e lá fundaram a sede da onde explorariam e exportariam mais da metade da Amazônia, ela passou realmente a cogitar essa realidade que viam seus olhos. Um fio quente de consciência quebrava toda a calmaria na qual sua medrosa passividade a deixava. Tudo iria realmente mudar, e ignorar a verdade não lhe seria, dessa vez, útil.
No começo tudo era estranho e, de certa forma, tosco. Os extraterrestres com dificuldade entendiam as milhares de línguas terráqueas e suas variações, por isso economizavam esforços, por exemplo, transmitindo seus comunicados em português de Portugal para os Brasileiros. Era vistoso que, assim como para os humanos, essa era uma experiencia relativamente nova para eles.
Em 2013 foi quando Clara conheceu Magnus. Os dois estavam no cursinho pré-vestibular e tentavam para medicina na UFAM (universidade federal do Amazonas). Após o súbito enlace de uma forte amizade, começaram a namorar nesse ano. Magnus era grande, um dos mais altos da sala, nessa época era muito mais magricela e até desengonçado. Clara atraiu-se por sua inteligência e dedicação, coisa que, com sua plácida e ensossa beleza, não encontrava nos meninos que conseguira fisgar durante o ensino médio. Apesar disso, em 2014 fazia 3 anos em que Magnus estava preso no cursinho tentando passar para medicina, foi quando mudou radicalmente de curso. Optou por seguir aquele assunto que assombrava todas as suas conversas de maior relevância e interesse. Só ao se abrir com Clara, coisa que nunca fez com tanta sinceridade com outra pessoa, que essa sombra se transmutou de um devaneio inconveniente para a ambição profissional e pessoal de Magnus. Clara o apoiou muito nessa época, e pode ver aquele menino embaraçado e desengonçado se desenvolvendo paulatinamente num homem corajoso quando disse ao seus pais que seu maior interesse era a política. Ela, contudo, continuou tentando para medicina, esse foi seu segundo ano de tentativa. Os dois passaram para a UFAM, ele para relações internacionais e ela seria médica.
O verão de 2014 para 2015 foi o melhor de suas vidas. Clara cultivava uma estima inaugural por aquele broto de menino que desabrochava sua bruta coragem. Magnus, ao passo que perscrutava seu cerne com auxilio de sua namorada, se tornava aquele tipo de rapaz hostil, não em prol de sua vaidade, mas inamistoso com injustiças. Clara, que era medrosa, tímida e condescendente, admirava a determinação do namorado contra as falsas e cordiais concordâncias, ainda mais quando sabia que fora ela quem impeliu essas características a luz da personalidade. Apesar disso, conhecia bem seu lado inseguro, indefeso, também como o alvo de seu amor, nobre, assim como o motivo central de sua luta.
Magnus naturalmente tinha o gênio de se inclinar para as militâncias esquerdistas das faculdades federais. Ele mal teve tempo de viver elas no seu estado natural, pois logo os aliens chegaram. Como os extraterrestres se mostraram toscos e desajustados em sua forma de dominação, os estudantes federais, junto de outros grupos simpatizantes, aproveitaram-se dessas fraquezas e protestaram contra os atos de injustiça e a escravidão que alguns aliens principiavam a introduzir em Manaus. Clara, prudente até demais, no começo não seguia o namorado para a rua manifestar, apesar de incentiva-lo. Os aliens passaram a encararam a força estudantil como um adversário respeitável, pela sua inflexibilidade e brio, e amenizaram as injustiças, mudando de uma estratégia completamente opressora para uma na qual tratava os humanos Manauenses quase como cidadãos com menos direitos. Só assim que Clara viu a importância dessas manifestações e seguiu seu namorado em cartazes e bandeiras. Magnus se tornava de suma importância para a organização dos protestantes.
Foi então que os ataques rebeldes começaram, em todo o mundo, lá por maio de 2016. Os que, antes da colonização, eram direitistas e conservadores, condenaram os ataques como sendo extremistas e injustos com os aliens, que nos tinham cedido certas regalias políticas enquanto poderiam ter simplesmente nos exterminados. Os estudantes aderiram incontestavelmente a causa. Clara voltou a ficar em cima do muro e não soube se era realmente certo apoiar os rebeldes, que, apesar de lutar por liberdade humana, causavam muitas mortes e desentendimento.
Foi logo mais tarde, 2017, quando também Magnus abandonara as passeatas. Entretanto, nunca deixou de ter sua opinião política muito forte. Começava a ficar realmente robusto e corpulento, com o rosto forçudo. Não era mais o menino magricela do cursinho. O súbito abandono das passeatas estranhou Clara, como também uma repentina mudança em seu comportamento.
Magnus começava a sumir de repente, a voltar muito mais tarde da faculdade, a falar ao telefone longe da namorada, a botar senha nos seus computadores. Clara desconfiava dele, ainda mais quando via nitidamente que alguma coisa ele escondia. 2017 e 2018 foram anos bem conturbados no namoro deles. Clara exigia por explicações e Magnus balbuciava histórias frágeis. Chegaram até mesmo a terminar, mas nunca de se amar. Voltaram, então, em 2019. Magnus sofria muito sem ela. Percebia que o motivo de sua luta era pelas coisas que amava, e ele amava Clara. Voltaram, não com a mesma intensidade. Magnus, assustado com a tibieza do relacionamento, pediu a mão de Clara. Ela concordou no tudo ou nada e nas promessas de mudança dele, acreditou, mesmo com um pingo de desconfiança, que não houve traição. Se mudaram da casa dos pais e foram tentar a vida de noivos num apartamento próprio. Ele e ela cursavam já o doutorado.
Gostou? Essa é só a primeira parte. Se você quer continuar lendo, comenta que eu posto as sequencias ou manda direct pra eu te passar o pdf por email. Obrigado pelo interesse :)
submitted by jaoherico to literatura [link] [comments]


2020.05.22 18:19 jaoherico Dae. Tais sem nada pra fazer ai dnv, né? Então, escrevi esse conto baseado no "tópico da semana" do sub r/escrita . Basicamente, é meio que ficção científica, mas tentei não me limitar muito ao tema. Se você é de Manaus e não se sentir aqui representado, me desculpa e gostaria de saber porque.

A NOVA COLÔNIA, parte I
Conto por João Antonov
Em 22 de abril de 2015 eles chegaram. Clara se lembrava bem do dia. Ainda estava no primeiro semestre da faculdade de medicina. A notícia virou o mundo de cabeça para baixo. E quando os aliens começavam a se espalhar e a se instalar em diversas partes do globo, a realidade era tão fantasiosa e impalpável que Clara sentia que, a qualquer momento, acordaria daquele sonho estranho. Só quando eles chegaram em Manaus e lá fundaram a sede da onde explorariam e exportariam mais da metade da Amazônia, ela passou realmente a cogitar essa realidade que viam seus olhos. Um fio quente de consciência quebrava toda a calmaria na qual sua medrosa passividade a deixava. Tudo iria realmente mudar, e ignorar a verdade não lhe seria, dessa vez, útil.
No começo tudo era estranho e, de certa forma, tosco. Os extraterrestres com dificuldade entendiam as milhares de línguas terráqueas e suas variações, por isso economizavam esforços, por exemplo, transmitindo seus comunicados em português de Portugal para os Brasileiros. Era vistoso que, assim como para os humanos, essa era uma experiencia relativamente nova para eles.
Em 2013 foi quando Clara conheceu Magnus. Os dois estavam no cursinho pré-vestibular e tentavam para medicina na UFAM (universidade federal do Amazonas). Após o súbito enlace de uma forte amizade, começaram a namorar nesse ano. Magnus era grande, um dos mais altos da sala, nessa época era muito mais magricela e até desengonçado. Clara atraiu-se por sua inteligência e dedicação, coisa que, com sua plácida e ensossa beleza, não encontrava nos meninos que conseguira fisgar durante o ensino médio. Apesar disso, em 2014 fazia 3 anos em que Magnus estava preso no cursinho tentando passar para medicina, foi quando mudou radicalmente de curso. Optou por seguir aquele assunto que assombrava todas as suas conversas de maior relevância e interesse. Só ao se abrir com Clara, coisa que nunca fez com tanta sinceridade com outra pessoa, que essa sombra se transmutou de um devaneio inconveniente para a ambição profissional e pessoal de Magnus. Clara o apoiou muito nessa época, e pode ver aquele menino embaraçado e desengonçado se desenvolvendo paulatinamente num homem corajoso quando disse ao seus pais que seu maior interesse era a política. Ela, contudo, continuou tentando para medicina, esse foi seu segundo ano de tentativa. Os dois passaram para a UFAM, ele para relações internacionais e ela seria médica.
O verão de 2014 para 2015 foi o melhor de suas vidas. Clara cultivava uma estima inaugural por aquele broto de menino que desabrochava sua bruta coragem. Magnus, ao passo que perscrutava seu cerne com auxilio de sua namorada, se tornava aquele tipo de rapaz hostil, não em prol de sua vaidade, mas inamistoso com injustiças. Clara, que era medrosa, tímida e condescendente, admirava a determinação do namorado contra as falsas e cordiais concordâncias, ainda mais quando sabia que fora ela quem impeliu essas características a luz da personalidade. Apesar disso, conhecia bem seu lado inseguro, indefeso, também como o alvo de seu amor, nobre, assim como o motivo central de sua luta.
Magnus naturalmente tinha o gênio de se inclinar para as militâncias esquerdistas das faculdades federais. Ele mal teve tempo de viver elas no seu estado natural, pois logo os aliens chegaram. Como os extraterrestres se mostraram toscos e desajustados em sua forma de dominação, os estudantes federais, junto de outros grupos simpatizantes, aproveitaram-se dessas fraquezas e protestaram contra os atos de injustiça e a escravidão que alguns aliens principiavam a introduzir em Manaus. Clara, prudente até demais, no começo não seguia o namorado para a rua manifestar, apesar de incentiva-lo. Os aliens passaram a encararam a força estudantil como um adversário respeitável, pela sua inflexibilidade e brio, e amenizaram as injustiças, mudando de uma estratégia completamente opressora para uma na qual tratava os humanos Manauenses quase como cidadãos com menos direitos. Só assim que Clara viu a importância dessas manifestações e seguiu seu namorado em cartazes e bandeiras. Magnus se tornava de suma importância para a organização dos protestantes.
Foi então que os ataques rebeldes começaram, em todo o mundo, lá por maio de 2016. Os que, antes da colonização, eram direitistas e conservadores, condenaram os ataques como sendo extremistas e injustos com os aliens, que nos tinham cedido certas regalias políticas enquanto poderiam ter simplesmente nos exterminados. Os estudantes aderiram incontestavelmente a causa. Clara voltou a ficar em cima do muro e não soube se era realmente certo apoiar os rebeldes, que, apesar de lutar por liberdade humana, causavam muitas mortes e desentendimento.
Foi logo mais tarde, 2017, quando também Magnus abandonara as passeatas. Entretanto, nunca deixou de ter sua opinião política muito forte. Começava a ficar realmente robusto e corpulento, com o rosto forçudo. Não era mais o menino magricela do cursinho. O súbito abandono das passeatas estranhou Clara, como também uma repentina mudança em seu comportamento.
Magnus começava a sumir de repente, a voltar muito mais tarde da faculdade, a falar ao telefone longe da namorada, a botar senha nos seus computadores. Clara desconfiava dele, ainda mais quando via nitidamente que alguma coisa ele escondia. 2017 e 2018 foram anos bem conturbados no namoro deles. Clara exigia por explicações e Magnus balbuciava histórias frágeis. Chegaram até mesmo a terminar, mas nunca de se amar. Voltaram, então, em 2019. Magnus sofria muito sem ela. Percebia que o motivo de sua luta era pelas coisas que amava, e ele amava Clara. Voltaram, não com a mesma intensidade. Magnus, assustado com a tibieza do relacionamento, pediu a mão de Clara. Ela concordou no tudo ou nada e nas promessas de mudança dele, acreditou, mesmo com um pingo de desconfiança, que não houve traição. Se mudaram da casa dos pais e foram tentar a vida de noivos num apartamento próprio. Ele e ela cursavam já o doutorado.
Gostou? Essa é só a primeira parte. Se você quer continuar lendo, comenta que eu posto as sequencias ou manda direct pra eu te passar o pdf por email. Obrigado pelo interesse :)
submitted by jaoherico to Livros [link] [comments]


2020.03.11 00:37 Idalen Queria fazer novos amigos

Texto longo e provavelmente incoerente, eu só quero jogar o que sinto para fora.
Faz um ano que vim para São Carlos, interior de São Paulo, o que foi um presságio de algo muito bom já que finalmente eu iria começar o curso de computação em uma universidade de excelência e etc e tals. Tudo parecia estar no caminho certo. Mas não está sendo fácil como eu achei que seria.

Minha Adolescência

Anteriormente eu morava em Itabuna, na Bahia, onde passei da minha infância até os 17 anos, inclusive os anos da adolescência. Ah, os anos entre os 15 e os 17. Parece um período curto de tempo, afinal, são apenas 3 anos. Porém, foram os anos em que eu mais me senti vivo em toda a minha vida.
Neles, fiz minhas amizades mais afetuosas, as quais mantenho até hoje, apesar da distância e que carrego com muito carinho na minha memória. Tínhamos bastante coisa em comum e eles me consideravam bastante, portanto isso sempre me trouxe um sentimento de pertencimento muito forte e seguro. Eu sempre fui meio fechado e tenho certa dificuldades de fazer amigos, tê-los encontrado é uma das coisas que me deixa grato ao acaso até hoje.
Além disso, foi o período em que comecei a me aproximar do meu pai. Nós sempre tivemos uns desentendimentos (principalmente em relação a ele e minha mãe serem divorciados), mas no final desses anos comecei a vê-lo como amigo, o que mudou muito meu afeto por ele. Também me aproximei mais dos meus irmãos pequenos, na medida em que eles cresceram. Fico triste em passar o tempo de todo dia sem poder compartilhar um minuto com eles.
Outro ponto marcante desse período foi o meu primeiro (e último) namoro e amor. Era uma relação extremamente caótica e complicada, mas eu nunca havia sentido aquilo antes, aquela intensidade, a sensação de que tudo podia acabar e estaria tudo bem. Certamente, esse amor foi a coisa mais pura e danosa que já senti em toda a minha vida. Confuso e conflitante, bagunçou minha cabeça e reverbera até hoje. Mas bem, foi adorável.
Apesar dessas memórias, que são boas de certa forma, eu também sei que minha adolescência foi o período mais caótico e triste da minha vida. Eu vivia entalado de pensamentos niilistas, me sentia sem objetivos o tempo todo, odiava a escola, vivia tendo problema com meu pai e a minha namorada, minha mãe desenvolveu um quadro de depressão complicada e a morte do meu avô.
Foi certamente a fase mais complicada da minha vida, mas mesmo assim, eu a vejo como se fosse o auge. Fiz meus melhores amigos, meu maior amor, conheci minhas bandas preferidas até hoje, defini quem eu sou até hoje, meus gostos, meus comportamentos, minhas opiniões. É como se eu só me sentisse eu depois dessa fase, mesmo ela sendo tenebrosa. Esses 3 anos(2015-17) pareceram muito mais longos do que os últimos 3 (2018-20), é como se eu tivesse vivido mais.
E aí entra o presente.

(Um pouco antes do) Presente

Bem, logo após o ensino médio, a maioria dos meus amigos foram para outra cidade e os que ficaram tomaram rumos diferentes do meu. Eu fiquei fazendo o pré-vestibular, até que ocorre o término com a minha ex depois de muitas turbulências. Então decido morar com a minha mãe e fazer um cursinho em Vitória da Conquista -BA.
O ano do cursinho foi bem insosso, eu passei ele inteiro praticamente estudando para passar no vestibular. Além disso, eu também desenvolvi muitas reflexões que me ajudaram a ajeitar alguns conflitos internos que surgiram anos antes (obrigado existencialismo e Antídoto ). No final do ano, fui passar dois meses em Campinas -SP para fazer as provas de vestibular. Eu realmente sentia que passar numa faculdade de excelência fosse a forma de me redimir com meus pais por não ter dado valor aos estudos durante o ensino médio. Era como se fosse minha obrigação por ter vindo de uma família onde meus pais sempre me apoiaram de todas as formas possíveis.
Já em Campinas, eu passei 2 meses sozinho em uma cidade onde não conhecia ninguém. Acho que foi o tempo em que me senti mais triste. Fiquei meio que 2 meses inteiros sem fazer nenhum contato com ninguém que não fosse a atendente do mercado onde comia. Eu não tinha ânimo para estudar nem fazer nada inclusive coisas que eu sempre gostei como games e filmes.
Eu sempre fui meio deprê e pessimista, esse tempo intensificou bastante essas características. Olha, eu realmente sei que meus problemas não são os dos mais sérios, que tem muita gente que sofre mais do que eu e que eu sou só um garoto de classe média extremamente mimado que nunca teve nenhum problema real na vida. Eu realmente não tenho o direito de estar depressivo. Mas eu estava de qualquer forma, eu não conseguia fugir disso.
Depois das provas, voltei pra Bahia, foi muito bom estar de volta e umas das minhas férias mais felizes. Em meados de janeiro, fui aprovado pela Fuvest. De cabelo raspado e com todos os meus amigos e familiares, posso dizer que foi um ótimo momento (apesar de ter durado um pouco menos de um mês). Após isso, fui para Ribeirão Preto -SP, de onde fui para São Carlos depois, onde estou até agora

(Agora sim o) Presente

A princípio tudo parecia ótimo, iria morar só e fazer o curso que eu queria. Bem, se passaram quase dois anos e eu me sinto um fracasso. Sou um fracasso na faculdade, não consigo estabelecer relações sociais com quase ninguém e também não consigo ser participativo em nenhum projeto ou atividade. Eu sou inseguro demais, sinto meu corpo tosco demais e minha mente estúpida demais.
Sinto como se todos os meus colegas estivessem um passo na minha frente dentro do curso, todos tem experiências prévias e sempre parecem super interessados nos estudos. Eu gosto das matérias no geral, mas não tenho esse anseio por conhecimento nem acho uma derivada algo maravilhoso. Sempre fui mais interessado em músicas, filmes e filosofia (também tecnologia, mas não no nível da galera do curso). Coisas como essa me trazem uma dificuldade enorme de me aproximar dos meus colegas de sala.
Eu também nunca fui de beber e ir em festas no estilo festas de república. Isso me faz me sentir meio descolado. Tentei ir em algumas aqui com uns colegas mais próximos, mas eu não consigo me sentir pertencente a essas atividades. Eu nunca cheguei em uma garota em toda a minha vida (não que eu seja virgem ou frustrado com mulheres por causa disso), mas com todas as garotas com quem eu fiquei havia um envolvimento emocional que me fazia sentir atraído e confortável. Isso não existe nos flertes das festas. Fiquei apenas com uma garota até agora e eu nunca conversei normalmente com ela. Eu me sinto tão estranho e tão reprimido por causa disso. Eu realmente queria poder me curtir esse ambiente sem me sentir estranho.
As amizades que eu fiz até agora eu separo em dois tipo: Os festeiros. São aqueles que adoram ir em festas, se embebedar, dançar e ficar com pessoas. Coisas que eu não gosto de fazer mas tento para me sentir enturmado. E os nerds incel. Beleza mano, eles tem um lado legal e tals, mas eu detesto esses caras que acham que uma mulher é vagabunda por que ela fica com mais de um numa festa. Isso me deixa extremamente revoltoso, mas eles são as únicas pessoas que consegui me conectar aqui. No total, são umas 8 pessoas.
Geralmente passo o tempo só em casa, o único lugar que gosto nessa cidade. Vejo filmes, tento compor umas músicas, estudo. Mas sinto muita falta de ter amigos próximos como foram os do ensino medio, de estar próximo dos meus irmãos e dos meus pais diariamente, de estar seguro em um amor com alguém, de conhecer a cidade onde moro, de não me sentir tão só.
Eu só queria ter amigos aqui, no fundo no fundo. Um texto enorme não teve utilidade alguma, mesmo que eu me sinta mal, eu nem deveria me sentir. Eu só queria ter um certo prazer de estar vivo. Sinto como de estivesse gastando meu tempo aqui de forma descontrolada. Obrigado a quem leu até aqui.
submitted by Idalen to desabafos [link] [comments]


2019.06.10 06:30 lcsmrs6 Sou um incel, mesmo que não concorde com as ideias difundidas por eles, como a misoginia?

Estou perto de completar 20 anos e ainda não tive relações sexuais. Quer dizer, se formos considerar relação sexual como a penetração - o que ela é, de fato - ainda sou. Embora já tenha tido uma tentativa não concluída. Aos 12, fui para a cama com uma garota... eu tinha doze; e ela, treze. Enfim, tentamos praticar o ato, mas não chegamos ao fim porque minha mãe estava ao lado e estávamos com medo de sermos pegados ("pegos") com a boca na botija. De lá pra cá já rolaram alguns "pegas", sim. O último foi há bastante tempo, em 2015. Eu tinha quinze anos e fiquei com a minha vizinha. Mas nada de sexo, só beijos. O que aconteceu comigo foi que, em 2016, apaixonei-me perdidamente por uma garota, a qual fazia ensino médio comigo, a ponto de ficar sempre imobilizado ao vê-la, sem agir. Eu era muito, digamos, besta. Declarei-me para ela... não cheguei a dizer que a amava, pois penso que isso deve ser usado com muita seriedade, mas perguntei se havia possibilidade de rolar algo entre nós dois. A resposta foi "sim". Fiquei felicíssimo, mas o problema é que a partir daí não consegui fazer mais nada, não sabia como agir (e acho que sempre ajo assim quando gosto muito da pessoa). Eu simplesmente não sabia o que fazer diante da felicidade em saber que a possibilidade de rolar algo entre nós dois era real, segundo ela, mas não agi. Um mês depois, ela estava namorando com um colega de classe. Eu já disse que gostava muito dessa garota? Eu, na verdade, acho que a amava (ou talvez ainda o faça), embora nunca tenha dito isso a ela. Mas, sabendo desse namoro, a única coisa que eu sentia era tristeza profunda - melancolia. Ainda fui atrás, tentei bancar o durão e discutir, mas nos desentendemos e ela me humilhou (talvez com razão), o que só contribui com o agravamento do meu estado emocional. Isso já faz três ou quase quatro anos, mas ainda me balança... tive de passar o resto do ensino médio, que acabou recentemente, vendo, com outro, a garota que já mais gostei.
E se aproximando mais do título do tópico, quero dizer: faz muito tempo que não me relaciono com ninguém, simplesmente porque não tenho o mínimo de autoestima pra achar que alguém vá se interessar por mim, estou com com medo de morrer só (visto que estou quase completando 20, adulto), sem me relacionar com alguém. É um círculo vicioso: entristeço-me por não achar que alguém vá se interessar por mim, trancando-me em casa e não "querendo" conhecer ninguém. Só queria saber se, na opinião de vocês, sou um celibatório involutário. Isso é muito triste.
submitted by lcsmrs6 to desabafos [link] [comments]


2018.03.20 10:51 SrGalahad Ansiedade e medo em fazer novas amizades

Depois de 2018 já estar em março as aulas começam, finalmente, hoje a noite, demorou um eternidade mas agora vai. O problema é que desde ontem toda hora que paro pra pensar nisso, meu coração acelera e não consigo me concentrar direito no que quer que seja apenas por imaginar como conversar com os outros calouros e veteranos . Assim que sai do ensino médio, cursei dois anos de publicidade e propaganda e tive a estupenda ideia de trancar a bolsa após um término de namoro (claro que não foi só isso, mas, foi o climax da minha dramatização adolescente), nesse tempo foram poucas as relações amigáveis, tinha vergonha de puxar conversa com todo mundo. Agora estou com vinte anos e aquela vergonha e receio de criar novos contatos está batendo de novo e me tirando o sono, sei que todo mundo tem muito mais o que fazer do que ficar encarando o garoto tímido e rir da cara dele, só que o frio na barriga já me fez ir no banheiro algumas vezes nessa madruga boladona. Gostaria de saber se os users tem alguma dica para fazer amizades, ou pelo menos ser agradável, visto que eu sou o famoso cara irritante do rolê, que fica fazendo humor autodepreciativo, um smartass da vida hauahshahs Desde já meu muito obrigado a famiglia /Brasil por fazer as minhas madrugadas muito mais aceitáveis :)
submitted by SrGalahad to brasil [link] [comments]